Advogado é preso juntamente com falsária por tentativa de estelionato e uso de documento falso

Nesta sexta-feira, por volta da 11h30min, no interior da Caixa Econômica Federal do Crato-CE, localizada na Rua Cel. Luís Teixeira com Rua Santos Dumont, bairro centro, foram presos em flagrante delito, por infringir o artigo 171 combinado com o 14, inciso II do Código Penal Brasileiro (tentativa de estelionato) e o artigo 304 do C.P.B (uso de documento falso), um advogado e uma mulher, ambos na cidade de  João Pessoa-PB.

As prisões foram efetuadas pela equipe do CP-2285 – Força Tática de Apoio – cabos Maurício e B. Marques com apoio do soldado Alex, quando a dupla tentavam sacar um valor aproximadamente de R$ 3.000,00 (três mil reais) da conta em nome de viúva, natural de Monte Horebe-PB,  50 anos. Os documentos da vítima que estavam na posse de acusada, a qual tentava se passar pela referida vítima com o apoio do advogado que segunda a mulher foi quem arquitetou o golpe e que já aplica esse tipo de crime há 05 (cinco) anos em várias cidades, acrescentado que recebe mensalmente do advogado Jair Brandão de Oliveira a quantia de R$ 2.000,00 (dois mil reais) para aplicar os golpes.

Ação policial se deu após a CIOPS-Crato receber  ligação telefônica do gerente da Caixa Econômica Federal de Crato-CE, comunicando a referida tentativa do golpe por parte do casal. Os acusados  conduzidos pelos  militares para a 19ª DRPC-Crato-CE onde o Bacharel Flávio Santos da Silva, delegado regional da Polícia Civil, determinou a lavratura dos devidos procedimentos pelos artigos 304 do CPB e 171 c/ 14 inciso II do CPB. Ficando ainda  a análise da Polícia Federal para outros possíveis procedimentos dentro da suas atribuições por se tratar de um golpe a uma pensão conseguida junto ao INSS.

Polícia evita golpe do “falso sequestro por telefone”

Várzea Alegre. Uma cabeleireira que não teve o nome revelado pela polícia, por pouco não foi vítima do “golpe do falso sequestro por telefone” na cidade de Várzea Alegre.

De acordo com as informações, a cabeleireira atendeu a uma ligação telefônica, na qual o suposto sequestrador dizia que estava com a filha dela e exigia para sua libertação que fosse depositado em uma conta a quantia de R$ 5.000,00.

Ao chegar à agência bancária na qual faria o depósito, os funcionários perceberam o nervosismo da cabeleireira, a abordaram e logo suspeitaram do golpe.

A polícia foi acionada e localizou a filha dela, que estava na escola, frustrando a ação criminosa. Quem estava do outro lado da linha não foi identificado.

Continue lendo